O Tacacachaça, do Remanso do Bosque, é a estrela dos drinques de Belém do Pará

Um coquetel com cachaça de jambu, bourbon e maracujá, servido no restaurante dos irmãos Thiago e Felipe Castanho, é a porta de entrada para os sabores do Pará. Faz tremer que nem um bom carimbó da Dona Onete

Por Sergio Crusco

tacacachacaedit
Tacacachaça, drinque tropical por excelência, apesar do bourbon

Ir a Roma e não ver o Papa, OK. Vai que ele está em missão na África do Sul ou bola para Papa você nem dá. Ir ao Pará e não comer jambu é que eu quero ver. A erva que adormece a boca está em tudo. No pato, na cachaça, no arroz, no tacacá, em lugares onde você talvez nem imagine. Faz sucesso por lá um pequeno frasco com o extrato da planta, basta uma gotinha espalhada nos lábios para que se tenha uma experiência de tremelicância que dura segundos verdadeiramente intensos. E não funciona só na boca, diz quem manja do trilili. Dona Onete, divina dama do carimbó, já cantou o tremor do jambu numa letra safada e didática.

O ativo da planta, chamado espilantol, é usado também na cosmética. Diz-se que relaxa a pele e alivia marcas de expressão. Como nosso assunto é dringue, preferimos desvendar esse mistério tomando um coquetel no Vaticano da culinária paraense, o restaurante Remanso do Bosque, dos irmãos Thiago e Felipe Castanho, em Belém. O Tacacachaça (R$ 22) é o drinque de maior sucesso da casa, com cachaça de jambu, bourbon, maracujá, bitter e clara de ovo. Vem numa cuia parecida com a do tacacá e, claro, também faz tremer, mas só um bocadinho. Um dos coquetéis mais equilibrados que já provei. Está tudo ali: o aroma e a dormência do jambu, a pegada de sabor redonda do bourbon, a acidez da fruta, a cremosidade provocada pela clara, um toque de amargor do bitter de laranja com embiriba, doçura na medida exata. É o Pará pela porta da frente, eu diria.

jambu-sour-edit
Jambu Sour, primo paraense do Pisco Sour

Sem contar que o jantar no Remanso, em boa e numerosa companhia, foi uma daquelas festas pantagruélicas em que cada um pede um bocado e a farofa, embora chique, rola solta, cada um compartilhando com prazer sua porção. “Ai, prova isso, tá divino!” Linguiça artesanal de porco e jambu num molho de mel de uruçu e tucupi, camarões empanados na tapioca (perdão, amigos nipônicos, é melhor que tempura), beiju com pesto de ervas e búfala do Marajó. Filhote, tambaqui, tucunaré e um arroz de pato com tucupi, jambu e castanhas do Pará que não é de rezar, é de chorar de alegria. Tudo isso pede outro drinque, fui de Jambu Sour (R$ 19), versão tropical do Pisco Sour com a tal da cachaça, limão, clara de ovo e Angostura. Embora o coquetel, ácido e refrescante, servisse para assentar os exageros de quem achava que aquela fosse a última refeição na face da terra, não foi possível chegar à sobremesa. Mas dei uma colherada na panna cotta de baunilha amazônica com calda de cupuaçu e paçoquinha de rapadura. Uma textura de sonho que qualquer Papa, por mais bobo que seja, não vai deixar de abençoar.

Vai lá: Remanso do Bosque, Rua 25 de Setembro, 2350, Bairro Marco, tel. (91) 3347-2829, Belém, Pará

Leia mais sobre os drinques paraenses da Ilha do Combu aqui

Dona Onete canta o tremor do jambu, para quem não sabe o que é bom. E outros carimbós sacudidos para continuar no tremelique

*

Crédito das fotos: Sergio Crusco

 

 

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s