0

O Clericot de Iemanjá: leve, cítrico, refrescante e perfumado

O mixologista Rodolfo Bob criou um Clericot especial para a Mãe do Mar, com frutas e flores brancas, perfume de sabugueiro, mel e aroma de alfazema – tudo como manda a tradição. O drinque perfeito para aquela tarde de verão que a gente nunca quer que acabe

Por Sergio Crusco / Fotos: Marcos Muzi

clericot-de-iemanja-1

Espumante brut, aromas, frutas e flores claras são a essência do Clericot de Iemanjá

A fagulha da inspiração cintila dos jeitos menos esperados, até de uma conversa digna de esquete da Praça da Alegria. Estávamos Rodolfo Bob e eu batendo papo num bar, música tuntz-tuntz vibrando no ar, à espera de saborear os drinques de uma nova carta na cidade. Foi quando eu disse:

– O bartender vai fazer um Clericot de Limoncello, estou doido pra provar.

– Clericot de Iemanjá? – ele perguntou.

– Não. Li-mon-ce-llo!

Continuar lendo

2

Guilhotina Bar une descontração e drinques surpreendentes em Pinheiros

O novo empreendimento do mixologista Márcio Silva já nasceu famoso, com coquetéis autorais, pouca pompa e muito espaço para o povo interagir

Por Sergio Crusco

guilhotina_ambiente_edit

Ambiente do Guilhotina bar: chique sem perecoteco, com cara de boteco de bairro

Mal abriu, no final do ano passado, o Guilhotina Bar virou um daqueles sucessos instantâneos, do tipo “está por fora quem ainda não foi”. Fica num imóvel simples da Rua Costa Carvalho, Baixo Pinheiros, entre Faria Lima e Marginal, pedaço que já conta com um punhado de opções bebíveis e comíveis bem recomendáveis: o Empório Alto de Pinheiros (a Aparecida do Norte dos cervejeiros), o Horta Café e Bistrô, a pâtisserie de Nina Veloso, o Delirium Café (outro point das grandes cervejas), o restaurante Nou, o Piú, o Oui, o Ruella, a Confeitaria Dama e outras perdições. No mapa estendido da região, o Guilhotina entra na categoria “bares abertos pelos próprios bartenders”, como o simpático e bom de preço boteco Paramount (de Netinho, ex-Astor), o aconchegante e caseiro Guarita (de Jean Ponce) e o elétrico Biri Nait (de Talita Simões).

Continuar lendo

0

Empório Balica é opção bacana para vinhos, queijos e outras gostosuras em São Miguel do Gostoso, RN

Na pequenina São Miguel do Gostoso, litoral do Rio Grande do Norte, entre um mergulho mar, o kitesurf com o cabelo ao vento e a caminhada na areia, tem o Empório Balica, que vende vinhos ótimos. E serve queijos, ao som de jazz ao vivo

Por Cristina Ramalho / Fotos: Ana Ottoni

gilson

Gilson Machado e seu trumpete: solos improvisados nas noites do Empório Balica

Quase todas as melhores coisas da vida vêm em dupla, né? Mar e sol, alguém de braços dados com outro alguém, frutas & vodca, Ella & Louis, queijo e vinho.  E igualzinho acontece num dia na praia, no futebol, nas pequenas e grandes ternuras da vida, o que é bom fica mais bacana quando surge o tal elemento surpresa. Taí a graça de São Miguel do Gostoso, cidadezinha a uma hora e meia de Natal, Rio Grande do Norte, bem na esquina do Brasil. Tem todos aqueles elementos clássicos: o marzão, a areia a perder de vista, o sol o ano inteiro, a calmaria na conversa à la Caymmi. Lugar de tomar caipiroscas (as da Rosana, no bar Madame Chita, que já citamos no Dringue, são imperdíveis porque vem também em dupla: com vodca e charme), ou cerveja gelada em pas-de-deux com peixinho estalando de frito, o maiô pingando depois da praia.

Continuar lendo