2

Bebendo champanhe com Marlene Dietrich

Ela era boa de bico, mas não tinha frescura: ia do champanhe ao vinho baratinho francês, passando por destilados fogo na goela como o Calvados e a vodca russa. Para sentir-se Marlene, damos o ranking dos melhores champanhes do ano (para quem tá podendo) e a lista dos grandes espumantes nacionais (para quem caiu no real)

Por Sergio Crusco

dietrich-champanhe-edit

Marlene Dietrich e o champanhe: promessa de um eterno domingo

“Como símbolo, o champanhe tem poderes extraordinários. Ele lhe dá a sensação de um domingo e de que dias melhores estão se aproximando. Se você pode arcar com um Dom Pérignon bem gelado numa linda taça, no terraço de um restaurante em Paris, olhando para as árvores ao sol numa tarde de outono, vai sentir-se o adulto mais sensual do mundo, mesmo se estiver acostumado a tomar champanhe”.

Continuar lendo

0

Um dringue com Kennedy Nascimento

Ele tem 22 anos, gerencia alguns dos bares mais sacudidos da cidade e atrai fãs onde quer que crie seus coquetéis. A história de Kennedy Nascimento – eleito o melhor bartender da América Latina no concurso Diageo World Class 2015 – começa no balcão do pai em Ribeirão Pires

Por Sergio Crusco

Kennedy Nascimento_créditos Henrique Peron (6)Você hoje gerencia o serviço de bar e cria cartas de drinques do Grupo Vegas, que inclui o Riviera, o Cine Joia, a Carniceria Z, o PanAm, o Lions Nightclub e o Yacht Club. Como dá conta de tanto trabalho e onde busca inspiração?

Essa parte de gerência e gestão eu sempre estudei na teoria e está sendo muito bom exercitar na prática. A criação acontece em dois pontos. Um é a inspiração, quando vou a uma feira, a um bar, provo um ingrediente que imagino que possa ter ligação com um drinque. O outro ponto é quando você precisa criar mesmo, colocar a mão na massa. É a hora de estudar não só as receitas dos coquetéis, mas o conceito do lugar para o qual você está criando, o público que frequenta. É preciso ter memória sensorial, treinar diariamente, conhecer os ingredientes destilados, fermentados, as frutas. Aí fica tudo mais fácil.

Continuar lendo

2

Bebendo com Fred Astaire

Leve, sutil, elegante – assim é o Buck’s Fizz, coquetel de champanhe com suco de laranja, também conhecido como Mimosa. O drinque é bebericado por Fred Astaire em O Picolino, um de seus maiores sucessos ao lado da eterna parceira Ginger Rogers

Por Walterson Sardenberg Sº

Fred-Astaire-edit

Fred Astaire: elegância, leveza e sofisticação (em qualquer ordem)

Todo mundo sabe que os ingleses e os franceses não falam a mesma língua. Embora já tenham falado: durante três séculos, a partir de 1066, a corte britânica só se comunicou em francês. Isso ocorreu porque, naquele ano, a ilha foi dominada pelo galês Guilherme, o duque da Normandia. Deste episódio, por sinal, surgiu a indissolúvel, embora muitas vezes velada, animosidade entre os dois vizinhos, separados por um braço de mar — e um braço de ferro.

Continuar lendo